tmp_7929-images-503399708-470x294

Investe São Paulo leva ao aeroporto de Guarulhos serviços gratuitos de apoio à exportação

A Investe São Paulo, a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e a Prefeitura de Guarulhos, promovem na quinta-feira, 30 de março, o 5º SP Export, a partir das 9h no Teatro Adamastor, na Av. Monteiro Lobato, 734 – Macedo, em Guarulhos.

O SP Export, programa de apoio às exportações paulistas, é uma iniciativa da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Governo do Estado de São Paulo.

A ação em Guarulhos é inteiramente gratuita e composta basicamente de duas frentes: o Seminário de Capacitação, com palestras e painéis com instruções importantes para ajudar empresas da região a exportar, conquistando novos mercados para seus produtos, e o Poupatempo do Exportador, que concentra, no mesmo espaço, a possibilidade de atendimento por diversas empresas e instituições essenciais nesse processo.

“O objetivo é auxiliar pequenas, médias e grandes empresas a desenvolver novos negócios, ganhar competitividade e gerar empregos e renda por meio das exportações”, destacou o secretário de Desenvolvimento Econômico e vice-governador de SP, Márcio França, que lançou o SP Export em 2015.

“Apostamos na internacionalização das empresas como propulsoras da inovação e do desenvolvimento de negócios. E o programa já deu resultados, como comprovou o crescimento das exportações no Estado de SP e no Brasil em 2016”, disse Sérgio Costa, diretor de Relações Institucionais da Investe São Paulo.

Para o prefeito de Guarulhos, Gustavo Costa (Guti), “A localização estratégica da cidade Guarulhos, que abriga o maior aeroporto da América Latina e é cortada pelas principais rodovias do país, a torna ideal para a instalação das empresas que trabalham com exportação”.

“Nosso objetivo durante os próximos quatro anos é colocar Guarulhos como a segunda cidade com mais empresas exportadoras no Estado e a 12ª no País. Para isso contamos com o apoio da Investe SP e do Governo do Estado para que possamos chegar a 1000 empresas que exportam, aumentando a competitividade de nossa indústria e fortalecendo a geração de riquezas”, afirma o secretário de Desenvolvimento Científico, Econômico, Tecnologia e Inovação da cidade, Rodrigo Barros.
O evento conta também com parcerias do IPT, Fundepag, Ceciex, Correios, Sebrae-SP, Desenvolve SP e Fiesp/Ciesp.

Seminário SP Export e Poupatempo do Exportador

Após a cerimônia de abertura serão realizadas palestras curtas ao longo do dia. Ao mesmo tempo atuará o Poupatempo do Exportador, por meio de representantes de instituições públicas e privadas, sempre disponíveis para prestar atendimento ao empreendedor in loco, adiantando informações importantes e tirando dúvidas, sobre os seguintes temas:

• Capacitação (Ceciex, Correios, Sebrae-SP)
• Financiamento (Desenvolve SP)
• Adequação de Produtos (IPT, Fundepag)
• Estudos de Inteligência Comercial (Apex-Brasil,Fiesp/Ciesp, Investe SP)

Já as palestras abordarão temas como premissas básicas para negócios internacionais, formação de preços, pagamentos, linhas de financiamento, entre outros.

Confira como foram as edições do SP Export em Campinas, Sorocaba, Franca e Ribeirão Preto.

(*) Com informações da Investe SP

Porto de Santos

Com exportações em alta, balança tem saldo de US$ 39,9 bilhões até 2a. semana de novembro

Na segunda semana de novembro, a balança comercial registrou superávit de US$ 1,121 bilhão, resultado de exportações no valor de US$ 3,938 bilhões e importações de US$ 2,817 bilhões. No mês, as exportações somam US$ 6,144 bilhões e as importações, US$ 4,702 bilhões, com saldo positivo de US$ 1,442 bilhão. No ano, as exportações totalizam US$ 159,230 bilhões e as importações, US$ 119,264 bilhões, com saldo positivo de US$ 39,966 bilhões.

Veja os dados completos da balança comercial

A média das exportações da segunda semana (US$ 787,6 milhões) ficou 7,1% acima da média da primeira semana (US$ 735,3), principalmente, em função do aumento nas exportações de produtos básicos (+19,4%, por conta de petróleo em bruto, farelo de soja, fumo em folhas, soja em grãos, milho em grãos) e produtos semimanufaturados (+8,9%, em razão de açúcar em bruto, celulose, ferro-ligas). Já as vendas de produtos manufaturados registraram queda (-6,2%, principalmente de automóveis de passageiros, açúcar refinado, autopeças, polímeros plásticos, motores para veículos automóveis e suas partes).

Nas importações, houve retração de 10,4%, sobre igual período comparativo (média da segunda semana, US$ 563,3 milhões sobre a média da primeira semana, US$ 628,5 milhões). Esta queda pode ser explicada, principalmente, pela diminuição dos gastos com combustíveis e lubrificantes, equipamentos eletroeletrônicos, equipamentos mecânicos, veículos automóveis e partes, além de plásticos e obras.

Mês

As exportações tiveram aumento de 11,2% até a segunda semana de novembro (média diária de US$ 768,0 milhões) em comparação com a média de novembro do ano passado (US$ 690,3 milhões). O crescimento é explicado pelo aumento nas vendas de produtos semimanufaturados (+39,1%, por conta de açúcar em bruto, semimanufaturados de ferro e aço, madeira serrada ou fendida, ouro em forma semimanufaturada, borracha sintética e artificial, ferro-ligas e couros e peles) e manufaturados (+14,4%, em razão de tubos flexíveis de ferro e aço, automóveis de passageiros, açúcar refinado, motores e geradores elétricos, veículos de carga, óxidos e hidróxidos de alumínio). A exportação de produtos básicos manteve-se estável. Em relação a outubro de 2016, pela média diária, houve crescimento de 11,9%, explicada pelo aumento nas vendas das três categorias de produtos: semimanufaturados (+25,7%), manufaturados (+15,6%) e básicos (+3,4%).

Nas importações, a média diária até a segunda semana de novembro deste ano (US$ 587,8 milhões) ficou 6,8% abaixo da média de novembro do ano passado (US$ 630,4 milhões). Decresceram os gastos, principalmente, com combustíveis e lubrificantes (-55,6%), adubos e fertilizantes (-9,9%), instrumentos de ótica e precisão (-8,5%), equipamentos mecânicos (-8,3%) e químicos orgânicos e inorgânicos (-6,3%). Em relação a outubro de 2016, houve crescimento de 3,3%, pelo aumento das compras de adubos e fertilizantes (+37,7%), siderúrgicos (+20,3%), equipamentos eletroeletrônicos (+11,8%), cereais e produtos da indústria de moagem (+9,3%) e plásticos e obras (+8,2%).

Fonte: MDIC

conteiner-640x294

Exportações com drawback totalizam US$ 20,4 bilhões até o mês de julho, segundo dados do MDIC

De janeiro a julho de 2016, as exportações com drawback atingiram US$ 20,4 bilhões, o que representa 19,2% do total exportado no período. No mesmo período, as importações com drawback atingiram US$ 4,1 bilhões, correspondendo a 5,4% do total importado. Quanto às compras de mercado interno, nos sete primeiros meses de 2016, as compras no mercado interno via drawback alcançaram US$ 126,5 milhões, correspondendo a 2,9% do total de insumos comprados via regime. As informações foram divulgadas pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).

Em julho, as exportações com drawback suspensão somaram US$ 2,8 bilhões, equivalentes a 17,2% do total exportado no período. As importações atingiram US$ 580,6 milhões, 4,9% do total importado no período. As compras do mercado interno somaram US$ 14,1 milhões, o que representa 2,4% do total de insumo adquiridos ao amparo do drawback suspensão.

No mês de julho de 2016, as exportações com drawback por fator agregado estiveram assim discriminadas: 54% referentes a produtos manufaturados; 21,1% a produtos básicos; e 24,8% a produtos semimanufaturados. Em relação às importações com drawback por fator agregado, 61,6% compuseram-se de manufaturados, 35,2% de produtos básicos e 3,2% de semimanufaturados. As compras no mercado interno com drawback em julho de 2016 corresponderam a 91% de produtos manufaturados, 8,6% de básicos e 0,4% de semimanufaturados;

De acordo com a Pauta de Produtos de Exportação (PPE), os produtos mais exportados utilizando-se o drawback suspensão, em julho de 2016, foram carne de frango congelada, fresca ou refrigerada, incluído miúdos e automóveis de passageiros. Os produtos mais importados, classificados de acordo com a Pauta de Produtos de Importação (PPI) foram minérios de cobre e seus concentrados e hulhas, mesmo em pó, mas não aglomeradas. Para compras no mercado interno, destaca-se coque de petróleo e perfis e fios, de ferro ou aços;

Com relação à agregação de valor no mês de julho de 2016, o índice médio das importações/exportações foi 20,6%, e o índice médio de compras no mercado interno/exportações foi 0,5%;

Em julho de 2016, as reposições de estoques de insumos importados e adquiridos no mercado interno amparadas pelo regime de drawback isenção, cursadas no sistema drawback isenção web, atingiram US$ 124,4 milhões;

No período em questão, 1.013 empresas exportaram ao amparo do drawback suspensão.

Fonte: MDIC

balanca-comercial-volta-a-registrar-deficit-720x294

Medidas do governo devolvem otimismo ao mercado logístico que espera 2017 com confiança

De acordo com um levantamento da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC), 64% das empresas de comércio exterior catarinenses vão fechar o ano com aumento nas exportações. A pesquisa, realizada com 140 empresas de pequeno, médio e grande portes, aponta que 26,5% das companhias projeta estabilidade nos valores exportados e 9,2% preveem redução.

Para Ivo Mafra, presidente da DC Logistics Brasil, organização que atua com soluções logísticas inovadoras e otimizadas há 22 anos, 2016 foi de superação e muito trabalho. “Se comparado a 2015, as estatísticas até agosto demonstram a queda de volumes nas importações (- 35%) e crescimento de volumes nas exportações ( +9,8%). A demanda por crédito e o aumento da inadimplência dificultam o gerenciamento do negócio”.

Apesar das dificuldades, o setor teve que se superar em função da crise. “Efetivamente foi um ano complicado, o que testa nossas capacidades empresariais. Mas controlar despesas, ser seletivo na concessão de créditos, buscar novos mercados para compensar queda nas vendas, estar preparado para trabalhar com menores margens e ter um time comprometido e vencedor fizeram a DC Logistics Brasil superar esse período”, relata Ivo Mafra.

Para 2017 a expectativa é de cautela e volta do crescimento da economia. “Com medidas como a do teto da dívida pública (União, Estados e Municípios), o mercado pode esperar um futuro melhor já que investidores podem voltar a atuar. Esperamos que outras medidas para a redução do tamanho do Estado na economia e a maior eficiência ocorram para voltemos a crescer, mesmo que timidamente em 2017”, comenta o presidente da DC Logistics Brasil.

Fonte: DC Logistics Brasil

Espresso

Exportações de café têm em setembro o melhor mês do ano e geram receita de US$ 516 milhões

As exportações brasileiras de café alcançaram 3,12 milhões de sacas (60 kg) no mês passado – maior volume mensal registrado no ano. Os embarques somaram US$ 516,2 milhões, a melhor receita obtida em 2016. Os números são do Informe Estatístico do Café de setembro, divulgado nesta segunda-feira (10) pela Secretaria de Política Agrícola (SPA) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

De janeiro a setembro, o Brasil exportou cerca de 24,5 milhões de sacas do grão, o equivalente a US$ 3,7 milhões. O preço médio da saca em 2016 é de US$ 151,49. Em setembro, o valor médio da saca foi de US$ 165, o melhor do ano, de acordo com o levantamento feito pela SPA. Nesses nove meses, o café se mantém em quinto lugar no ranking das exportações brasileiras.

A previsão é que a safra de café chegue a 49,6 milhões de sacas em 2016, segundo a última estimativa da Conab. Do total, 41,3 milhões de sacas devem ser da espécie arábica, e 8,3 milhões de sacas de robusta. A área plantada é prevista em 1,95 milhão de hectares, e a produtividade é calculada em 25,46 sacas por hectare.

O Informe do Estatístico do Café é elaborado mensalmente pelo Departamento de Gestão de Riscos e Recursos Econômicos da SPA. Clique aqui para acessar a íntegra do levantamento.

Fonte: Mapa

China Qingdao Port Container Terminal,The world's most efficient loading and unloading pier, with more than 130 countries and regions in the global trade

Exportações em leve alta e importações em queda livre: Brasil perde espaço no comércio mudial

De janeiro a julho, as exportações brasileiras tiveram uma queda de 3,72% para US$ 123,570 bilhões. Nesse mesmo período, as importações do país desabaram 24,66% e somaram US$ 91,198 bilhões. Somados esses números, o fluxo de comércio brasileiro totalizou US$ 214,769 bilhões.

Esses dados permitem fazer o prognóstico de que ao final de 2016 o Brasil deverá cair duas ou três posições no ranking mundial dos exportadores e perder entre quatro e seis postos na relação dos maiores importadores do mundo.

Segundo dados do “World Trade Statistical Review -2016”, a publicação anual de estatísticas lançada pela Organização Mundial do Comércio (OMC), em 2015, o Brasil ocupou a 25ª. posição entre os principais países exportadores, com vendas externas no total de US$ 191,134 bilhões e uma participação de apenas 1,2% no comércio mundial.
O ranking foi liderado pela China, com exportações no total de impressionantes US$ 2,275 trilhões (e participação de 13,8% no comércio mundial), seguida pelos Estados Unidos (US$ 1,505 trilhão e participação de 9,1%), Alemanha (US$ 1,329 trilhão, equivalentes a 8,1% do comércio mundial), Japão (US$ 625 bilhões e 3,8%) e Países Baixos (US$ 567 bilhões e participação de 3,4% do fluxo de comércio mundial).

À frente do Brasil apareceram países com economias muito menos sólidas e diversificadas que a brasileira, à época oscilando entre a sexta e sétima maior economia do planeta, como a Bélgica, (12º. lugar no ranking), o México (13º), a cidade-Estado de Singapura e seus pouco mais de 5 milhões de habitantes (14º lugar), a Federação Russa (15º lugar) e a pequenina Suíça (16ª. colocada).

No ranking dos principais importadores mundiais, o Brasil ocupou uma igualmente melancólica 25ª posição, com importações totais de US$ 179 bilhões, correspondentes a apenas 1,1% das importações em nível mundial.

Entre os importadores, o lugar de destaque coube aos Estados Unidos, com US$ 2,308 bilhões adquirdos de seus parceiros no exterior e uma participação de 13,8 nas importações globais. Outros destaques foram a China (US$ 1,682 bilhão e 10,1%), Alemanha (US$ 1,050 bilhão e 6,3%), Japão (US$ 648 bilhões e 3,9%) e Reino Unido (US$ 626 bilhão e uma participação de 3,7% nas importações mundiais).

Nessa relação, o Brasil surgiu atrás de países como Hong Kong (US$ 559 bilhões e 3,3%), Coreia do Sul (US$ 436 bilhões e 2,6%), México (US$ 405 bilhões e 2,4%), Índia (US$ 392 bilhões e 2,3%), Espanha (US$ 309 bilhões e 1,8%) e Singapura (US$ 97 bilhões e participação de 1,8%).

À frente do Brasil também apareceram países dotados de economias menos expressivas, como os Emirados Árabes Unidos, a Austrália, Turquia, Tailândia, a Federação Russa e a Polônia.

E se a queda no ranking dos países exportadores dificilmente será superior a dois ou no máximo três posições, na relação dos maiores importadores mundiais o Brasil perderá em 2016 um número muito mais relevante de postos.

De janeiro a agosto as importações brasileiras caíram 24,66% e somaram apenas US$ 91,198 bilhões. Mantido esse ritmo, o próximo boletim a ser divulgado em meados de 2017 pela OMC poderá trazer o Brasil não na 25ª posição, mas alguns degraus abaixo pois não será nenhuma surpresa se o país for ultrapassado por países como a Malásia (que importou US$ 176 bilhões em 2015), Arábia Saudita (US$ 172 bilhões), Vietnã (US$ 166 bilhões), Áustria (US$ 155 bilhões) e até mesmo pela Indonésia (US$ 143 bilhões).

end5675-696x294

Comércio exterior é tema de seminário promovido pela CNA em parceria com a Apex-Brasil

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), promoveu nestas terça (16) e quarta-feiras (17), o Seminário da Rede Agropecuária de Comércio Exterior – InterAgro, em Brasília. Esse evento marca o lançamento da Rede que tem atividades previstas durante 18 meses, com eventos presenciais e palestras por videoconferência sobre temas do mercado internacional.

De acordo com a assessora para Acesso a Mercados da CNA, Camila Sande, o objetivo do evento é capacitar profissionais e técnicos do setor para melhorar o desempenho com o comércio internacional e sensibilizar os produtores rurais para um maior engajamento nos temas trabalhados.
O primeiro dia do Seminário contou com debates sobre as vantagens da exportação de produtos e serviços, procedimentos do comércio exterior agrícola e negociações internacionais.

Em sua exposição, o supervisor de Competitividade da Apex-Brasil, Tiago Terra, afirmou que exportar é muito mais que uma fonte de renda ou uma interação entre pessoas e empresas, é uma alternativa de desenvolvimento. “Todo mundo ganha com o comércio exterior: o exportador, o importador e o mercado interno, com o ingresso de divisas, com geração de emprego e renda”, disse.

Para o representante da Apex-Brasil, existem três caminhos a seguir para se alcançar o mercado externo: definir o tamanho do negócio, identificar o mercado alvo e estar preparado de forma profissional.

“A exportação é a oportunidade de diversificar o mercado consumidor e deixar o negócio menos dependente das oscilações da economia doméstica, além de acompanhar o mercado globalizado em termos de inovação e tecnologia”, defendeu Tiago Terra.

A Superintendente de Relações Internacionais da CNA, Alinne Oliveira, e a assessora Camila Sande, apresentaram as principais características do comércio agrícola e das negociações de acordos comercias e os impactos para a agropecuária brasileira.

Alinne listou os níveis de integração de acordos entre países ou blocos econômicos: “um acordo de livre-comércio abrange a redução de tarifas entre os membros; a união aduaneira possui tarifas externas comuns; o mercado comum tem livre movimento de capital e serviços, mas regulações nacionais diferentes; a união econômica não tem barreiras para comércio e a união política possui um governo comum”, disse.

Sobre as negociações comerciais, Camila Sande explicou que o objetivo principal é a liberalização das trocas de comércio entre países. “Em uma negociação, as partes definem o acesso dos seus produtos ao outro mercado, regras e requisitos sanitários e fitossanitários, dentre outros elementos. Os tipos de negociação se dividem em bilateral (Brasil e México, Mercosul e União Europeia, Parceria Transatlântica – TTIP), regional (Mercosul, Aliança do Pacífico, Parceria Transpacífica – TPP) e multilateral (Organização Mundial do Comércio – OMC)”.

No segundo dia do seminário, temas como atuação do governo na execução da política comercial brasileira e o panorama global das relações comercias foram destaques da programação. O chefe de Departamento de Negociações Internacionais do Ministério das Relações Exteriores (MRE), embaixador Ronaldo Costa, destacou os desafios do Brasil e do setor agrícola.

Para ele, o Brasil precisa aprofundar a remoção de barreiras tarifárias e não-tarifárias e incluir novos temas de comércio exterior no Mercosul e na América do Sul, assim como, celebrar acordos com países capazes de fornecer insumos e capital de alto conteúdo tecnológico e ganhos significativos para a balança comercial.

Sobre a ação do governo na execução da política comercial brasileira, o diretor do Departamento de Negociações Internacionais da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), Abrão Miguel Árabe, afirmou que o Brasil possui importante rede de acordos na região, mas concentrada em tarifas e a estratégia é ampliar a temática dos acordos regionais.

Fonte: CNA