Forklift and Container

OCDE vê crescimento global atingir pico em 2018 e melhora projeções para o Brasi

O crescimento econômico global deve atingir a máxima de oito anos em 2018, mas o investimento fraco e os níveis de dívida cada vez mais perigosos limitam o espaço para mais avanços, afirmou a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) nesta terça-feira.

A economia global caminha para crescer 3,6 por cento neste ano, antes de atingir expansão de 3,7 por cento em 2018. Em seguida, a previsão é que o ritmo de crescimento volte para 3,6 por cento em 2019, informou a OCDE em suas perspectivas mais recentes.

A previsão anterior para este ano, feita em setembro, era de 3,5 por cento. A projeção de 2018 ficou inalterada.

Para o Brasil a previsão é de crescimento de 0,7 por cento neste ano, 0,1 ponto percentual acima da previsão anterior. Em 2018, o país deve expandir 1,9 por cento, ante expectativa anterior de avanço de 1,6 por cento, chegando a um crescimento de 2,3 por cento em 2019.

“As coisas parecem muito boas agora, mas a menos que vejamos uma atividade robusta do setor privado e uma renovação do estoque de capital, gerando salários reais mais altos, não vamos manter as taxas de crescimento que vemos hoje”, disse à Reuters a economista-chefe da OCDE, Catherine Mann.

“Ainda há trabalho a ser feito, ainda estamos um pouco confortáveis com os dados, que foram sustentados por políticas fiscal e monetária”, acrescentou.

Com o crescimento mais forte em uma década, a zona do euro deve superar as demais grandes economias desenvolvidas neste ano com crescimento de 2,4 por cento, desacelerando a 2,1 por cento em 2018 e 1,9 por cento em 2019.

Em setembro, a OCDE havia projetado expansão de 2,1 por cento para a região neste ano e de 1,9 por cento no próximo.

Com uma melhora marginal nas estimativas para os EUA, a OCDE prevê expansão da economia de 2,2 por cento neste ano e de 2,5 por cento em 2018, impulsionada por um corte esperado no imposto de renda e corporativo, antes de desacelerar para 2,1 por cento em 2019.

A OCDE manteve as estimativas para a China de crescimento de 6,8 por cento neste ano, com desaceleração para 6,6 por cento em 2018 e para 6,4 por cento em 2019, à medida que as exportações diminuem.

Fonte: Reuters

Porto de Santos

Importações voltam a registrar crescimento no Porto de Santos

O Porto de Santos voltou a registrar, após 14 meses, crescimento nas importações, com 2,8% de aumento em relação a maio do ano passado. A movimentação de mercadorias no mês também foi recorde, mantendo a tendência registrada em todo este ano.

As importações não apontavam crescimento desde março/2015, quando houve acréscimo de 3,3% sobre o ano anterior. Neste mês de maio, foi registrado o número de 2,81 milhões de toneladas desembarcadas, um aumento de 2,8% em relação ao mesmo mês do ano passado (2,74 milhões de toneladas).

O produto com maior participação é o adubo, com 321,8 mil toneladas movimentadas, um crescimento de 62,1% em relação a maio do ano passado. O enxofre é a 2ª mercadoria em movimentação, com 173,2 mil toneladas (aumento de 15,3%). O 3º no ranking é o sal, com 142,4 mil toneladas, aumento de 77,6%.

Nas exportações, o Porto de Santos também registra recorde: 7,57 milhões de toneladas. É a maior movimentação de cargas exportadas não somente em relação aos meses de maio, mas de todos os meses de 1º semestre. O complexo soja (grãos e farelos) continua como 1º produto mais embarcado, mas diminuiu a participação em relação aos meses anteriores. Foram 2,89 milhões de toneladas exportadas, queda de 0,4% em relação a maio/2015. Em sentido contrário, os produtos derivados da cana-de-açúcar registram aumento. O açúcar foi o 2º produto com maior movimentação, com a marca de 1,79 milhão de toneladas, aumento de 27,4% em relação ao ano anterior. O álcool também registrou aumento de movimentação: 87,6%. Com o embarque de 138,0 mil toneladas, foi o 4º produto mais exportado. Em 3º, ficaram os sucos cítricos, com 173,3 mil toneladas (aumento de 3,2% em relação a maio do ano passado).

Movimento acumulado

O acumulado até maio/2016 é recorde para o período, com a movimentação de 47,9 milhões de toneladas, crescimento de 4,4% em comparação com os cinco primeiros meses de 2015. As exportações registraram movimento de 35,78 milhões de toneladas, crescimento de 10,7% em relação a 2015. As importações chegaram a 12,13 milhões de toneladas, queda de 10,6% em relação ao ano passado.

O complexo soja, com um crescimento de 20,2%, é o produto mais exportado em 2016, com 13,78 milhões de toneladas, seguido do açúcar, que registrou embarque de 6,12 milhões de toneladas (crescimento de 3,5% em relação a 2016). Um dado a se destacar em relação ao açúcar é que não houve, em 2016, embarque do produto em sacas, apenas a granel (5,59 milhões de toneladas) e em contêineres (528,9 mil toneladas). Outro destaque é a movimentação de produtos diversos não especificados, que registrou 8,48 milhões de toneladas, aumento de 5,1% entre janeiro e maio/2016.

Nas importações do período, o produto com maior movimentação é o adubo, com 1,04 milhão de toneladas, crescimento de 55,1%. Em 2º o enxofre, com 614,8 mil toneladas, recuo de 22,4% em relação ao acumulado de 2015.

O movimento de contêineres registrou queda de 8% no acumulado do ano, com 1.395.901 TEU em 2016 contra 1.517.824 TEU em 2015. No mês, a redução foi de 3,9% (310.856 TEU em maio/2016 ante 323.564 TEU em 2015). O fluxo de navios registrou queda no mês e no resultado acumulado. Foram 403 atracações em maio de 2016 contra 429 no mesmo mês do ano passado, resultado que apresenta um aumento na consignação média (carga transportada por navio) de 9,29%. No acumulado, 2016 registra até maio 1.997 atracações, contra 2.147 no ano passado.

Fonte: Codesp/Porto de Santos