180306-tecon-santos-brasil-porto-de-santos-porteiner

China é o destino final de 27,8% das exportações totais brasileiras até outubro, aponta Icomex da FGV

Rio de Janeiro – A China é o principal destino das exportações brasileiras, segundo o Indicador de Comércio Exterior (Icomex), da Fundação Getulio Vargas (FGV), com 27,8% dos produtos exportados pelo Brasil. A diferença para o segundo colocado, os Estados Unidos, ficou em 14,7 pontos percentuais. A participação da China no comércio exterior brasileiro supera até a do bloco da União Europeia, que soma 16,3%. Os dados foram divulgados hoje (13).

A recessão na Argentina influenciou o percentual de 4,4% daquele país. Esse resultado é o segundo menor na série histórica, que começou em 2000. O outro desempenho desfavorável foi em 2002. Com queda no PIB de 10,9%, a participação da Argentina nas exportações brasileiras ficou em 3,8%.

O indicador, que calcula de forma mais detalhada o nível de atividade dos setores produtivos, analisa dados da Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai, Venezuela e da Argentina. Além desses países, que compõem o grupo Demais da América do Sul, o Icomex inclui informações da China, dos Estados Unidos e da União Europeia. De acordo com a FGV, esses países/regiões somam 69,6% das exportações totais brasileiras no acumulado do ano até outubro. No mesmo período as importações representaram 66,9%.

Balança comercial

O Icomex indica que os superávits da balança comercial do Brasil são influenciados pelo comércio exterior com a China. No acumulado até outubro, o saldo da balança somou US$ 34,9 bilhões. Só com a China, foi US$ 21,4 bilhões. O grupo Demais da América do Sul teve saldo de US$ 6,4 bilhões e a União Europeia de US$ 2 bilhões.

Apesar de ser o principal mercado das compras externas brasileiras, a diferença dos percentuais nas importações da China no mês é menor em relação aos Estados Unidos e a União Europeia. No caso da América do Sul, a diferença é de 8,6 pontos percentuais.

Recuo

Segundo a FGV, os volumes exportados caíram em todos os mercados, com exceção dos Estados Unidos, que registrou aumento de 13,3%. A queda de 10% nos preços das exportações no período favoreceu o aumento de 2% no valor exportado, apesar da elevação em mais de 10% no volume. O petróleo foi o principal produto exportado, seguido das semimanufaturas de aço. Os destaques da lista das principais exportações com variação positiva são a gasolina (332%), o etanol (25%) e outras manufaturas (44%). Para a China, o volume exportado caiu 2,8% e a Argentina, que enfrenta recessão, registrou queda de 35,9% no volume e 38,4%, em valor.

O maior aumento nas importações foi registrado com os Estados Unidos, que tiveram de 13% de elevação no volume, seguido da China com 1,6% e recuo nos demais mercados. A principal importação do Brasil dos Estados Unidos são os óleos combustíveis e o principal produto exportado o petróleo bruto.

Na visão da FGV, o resultado mostra um comércio associado à questão da infraestrutura de refino no território brasileiro.

(*) Com informações da Agência Brasil

170710-meio-ambiente

China e UE apostam em navegação mais verde para reduzir emissões

A trilionária indústria da navegação global poderá em breve ser forçada a reduzir as emissões de gases causadores do efeito estufa devido às novas regras apoiadas pela União Europeia e pela China.

Mais de 200 representantes se reuniram nesta semana na Organização Marítima Internacional (IMO, na sigla em inglês), a agência da Organização das Nações Unidas que supervisiona a navegação, com sede em Londres, para discutir regras que poderiam transformar o setor, atualmente responsável por 3 por cento das emissões mundiais, em uma operação com emissão zero de carbono na segunda metade do século.

A mudança em direção à energia limpa foi motivada pelo Acordo de Paris para mudanças climáticas e também pela ameaça das normas regionais estudadas pela UE e testadas na China. A Europa propôs um plano para adicionar as emissões dos navios ao seu sistema de comércio até 2023 se as negociações na IMO não avançarem. A China realiza um programa piloto similar englobando o porto de Xangai e a indústria da navegação.
A proposta da UE “estabelece um prazo para que a IMO apresente uma meta e medidas”, disse Sotiris Raptis, assessor sênior da Organização Europeia dos Portos Marítimos e ex-assessor parlamentar da UE. “Mas trata-se de uma indústria global, é difícil regular emissões geradas fora da jurisdição.”

A imposição de regras para as emissões eliminaria uma lacuna deixada pelo Acordo de Paris para as mudanças climáticas, de 2015. Os motores dos navios quase sempre queimam óleo combustível pesado, uma das formas mais sujas e baratas de energia. Os membros da IMO voltarão a discutir suas estratégias e objetivos em outubro. O rascunho de um acordo pode vir a ser elaborado em 2018 e implementado em 2023.

“Estamos vendo disposição dos delegados para discutir os problemas”, disse Edmund Hughes, chefe de poluição atmosférica e eficiência energética da IMO.

As vozes mais críticas nas negociações são as dos pequenos países do Pacífico, como as Ilhas Marshall, as Ilhas Salomão e Kiribati, que estão entre os mais vulneráveis ao aumento do nível do mar devido às mudanças climáticas. Algumas ilhas podem ser submergidas pela água já na próxima década, o que as levou a formar uma coalizão com alguns países da UE para pedir regras rígidas para as emissões à IMO.

“O setor precisa urgentemente intensificar seus esforços”, disse Mike Halferty, ministro dos Transportes das Ilhas Marshall, país sob cuja bandeira está registrada a maioria dos navios. “Se a navegação internacional fosse um país, teria a sétima maior emissão do mundo.”

China e Índia

A China e a Índia, que têm as duas maiores populações do mundo, apresentaram um documento conjunto em apoio à mudança para uma navegação com menor emissão de carbono. Segundo o plano, os países seriam livres para criar planos individualizados de redução das emissões.

Países produtores de petróleo como a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos enfatizaram que seria necessário fechar um compromisso, segundo declarações feitas na quarta-feira que sinalizaram falta de disposição para um acordo rápido sobre as medidas propostas. Delegados de países sul-americanos como Argentina e Chile afirmaram que os impactos de custo do comércio de longo curso com portos geograficamente remotos precisam ser considerados.

Fonte: Bloomberg News

161214-minerio-de-ferro_terminal-ponta-da-madeira

Minério de ferro salta 5% na China com máxima de 3 anos do aço

Os contratos futuros do minério de ferro negociados na China subiram mais de 5 por cento nesta quarta-feira, com os preços do aço avançando para o seu maior valor em mais de três anos, diante de expectativas de demanda firme.

Operadores comentaram que Pequim deve incentivar investimentos em infraestrutura e que as vendas de imóveis estão crescentes.

O mercado de minério de ferro teve nesta semana uma forte recuperação. Os contratos futuros do aço na China sustentam os preços.

“Continuamos a acreditar nos investimentos da China em infraestrutura em 2017 para impulsionar o crescimento, com os líderes se preparando para as eleições em novembro”, afirmou analista do Commonwealth Bank of Austrália Vivek Dhar em nota.

O vergalhão mais ativo da Bolsa de Futuros de Xangai subiu para 3.692 iuanes (534 dólares) por tonelada, seu maior valor desde fevereiro de 2014. O contrato fechou em alta de 1,6 por cento a 3.641 iuanes.

O minério de ferro na Bolsa de Mercadorias de Dalian subiu 5,5 por cento para terminar a 724,50 iuanes a tonelada, depois de ter tido um pico de duas semanas de 730,50 iuanes mais cedo.

Fonte: Reuters

China Qingdao Port Container Terminal,The world's most efficient loading and unloading pier, with more than 130 countries and regions in the global trade

Brasil tem queda na corrente de comércio com 9 entre seus 10 maiores parceiros comerciais

A corrente de comércio do Brasil (exportações+importações) com os dez principais parceiros comerciais apresentou em 2016 quedas expressivas em relação a todos eles, exceto a Bélgica, o único desses países que teve um fluxo de comércio com o Brasil em 2016 superior ao que foi registrado em 2015.

A maior queda aconteceu exatamente com a China, o maior parceiro comercial do Brasil, com um recuo de quase US$ 8 bilhões, segundo dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).

Em 2016, o Brasil exportou para a China mercadorias no total de US$ 35 bilhões e importou bens no montante de US$ 23 bilhões, tendo obtido um superávit de US$ 12 bilhões, com uma corrente de comércio no total de US$ 58 bilhões. Em 21015, as exportações somaram US$ 35,6 bilhões e as importações atingiram a cifra de US$ 30,7 bilhões e o fluxo de comércio somou US$ 66 bilhões.

Em relação aos Estados Unidos, a queda na corrente de comércio foi menos acentuada mas ainda assim relevante. Em 2016, os dois países trocaram mercadorias no valor total de US$ 47 bilhões (exportações de US$ 21 bilhões e importações de US$ 24 bilhões), contra US$ 50 bilhões em 2015 (exportações no total de US$ 24 bilhões e importações no montante de US$ 26 bilhões).

Quedas igualmente importantes foram registradas no fluxo de comércio entre o Brasil e a Argentina, Países Baixos, Alemanha, Japão, Chile, México e Itália.

A Belgica, décimo principal parceiro comercial do Brasil, foi o único país a registrar um aumento na corrente de comércio bilateral. Ano passado, Brasil e Bélgica trocaram mercadorias no total de US$ 4,719 bilhões, contra um fluxo de comércio de US$ 4,612 bilhões registrado em 2015.

170103-setor-portuario

Exportações e importações da China avançam bem mais que o previsto em janeiro

As exportações da China medidas em dólares subiram bem mais que o esperado em janeiro, revertendo a queda do mês anterior, num possível sinal de recuperação da demanda externa por bens da segunda maior economia do mundo.
Na comparação anual, as exportações chinesas avançaram 7,9% em janeiro, segundo dados publicados pela Administração Geral de Alfândega do país. Em dezembro, os embarques externos da China haviam mostrado redução de 6,1%.

O resultado das exportações em janeiro superou de longe a expectativa de 11 economistas consultados pelo Wall Street Journal, que previam acréscimo de 3,1%.

Já as importações chinesas saltaram 16,7% no confronto anual de janeiro, após subirem 3,1% em dezembro. A variação também ficou bem acima da projeção do mercado, de alta de 10%.

O superávit comercial da China se ampliou em janeiro, a US$ 51,35 bilhões, de US$ 40,82 bilhões em dezembro, e ultrapassou a previsão dos analistas, que era de saldo positivo de US$ 50 bilhões.

Fonte: Estadão

china_9144-L0x0

CNI apresenta seis motivos para o Brasil não reconhecer a China como economia de mercado

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) avalia que a China não deve ser automaticamente reconhecida como economia de mercado. Neste domingo (11), faz 15 anos que o país assinou o Protocolo de Acessão, se comprometendo a modificar uma série de questões econômicas. No entanto, para o setor privado brasileiro, a China ainda mantém preços artificialmente baixos devido a intervenções do Estado na economia.

No Brasil, a circular da SECEX 59/2011estabeleceu os critérios que devem ser observados para avaliar a existência de condições de economia de mercado. São eles:

1. Grau de controle governamental sobre empresas ou sobre meios de produção

2. Nível de controle estatal sobre alocação de recursos, sobre preços e decisões de produção de empresas

3. Legislação aplicável em matéria de propriedade, investimento, tributação e falência

4. Grau em que os salários são determinados livremente em negociações entre empregadores e empregados

5. Grau em que persistem distorções herdadas do sistema de economia centralizada relativas a, entre outros aspectos, amortização dos ativos, outras deduções do ativo, trocas diretas de bens e pagamentos sob a forma de compensação da dívida

6. Nível de interferência estatal sobre operações de câmbio

A discussão ocorre, pois, no dia 11 de dezembro completam 15 anos do protocolo de acessão da China à Organização Mundial do Comércio (OMC). Neste prazo, o governo chinês se comprometeu a cumprir uma série de obrigações para estar em conformidade com as regras multinacionais e, desta forma, pudesse ocorrer a transição de uma economia não de mercado para uma economia de mercado.

O que significa ser economia de mercado?
O reconhecimento de uma economia como sendo de mercado implica diretamente no cálculo de medidas antidumping. Considera-se dumping a concorrência desleal de um país, que vende produtos mais baratos para outras economias do que no seu próprio mercado. Atualmente, os países não comparam os preços de exportação da China com o valor vendido internamente. Como não é economia de mercado, a comparação é feita com um terceiro país, que pratica “valor normal”.

(*) Com informações da CNI

china_9144-L0x0

Brasil é principal destino de capital chinês entre emergentes

O Brasil é a primeira destinação de aquisições de empresas pela China em economias emergentes e a terceira globalmente, neste ano, revela levantamento da consultoria de dados financeiros Dealogic, de Londres, para o Valor. Seis transações por parte dos chineses no Brasil totalizaram US$ 11,9 bilhões entre 1º de janeiro e 18 de novembro, mais do dobro da soma de dez operações realizadas em todo o ano passado no país.

As aquisições dos chineses no Brasil só são superadas pelas compras de companhias nos EUA (US$ 60,6 bilhões) e Suíça (US$ 48,8 bilhões), mas ficam acima dos negócios efetuados na Alemanha, principal economia europeia.
O Brasil atraiu 22,7% do volume de transações de US$ 52,4 bilhões efetuadas pelos chineses nos mercados emergentes neste ano. Quase tudo, cerca de US$ 10 bilhões, foi destinado a aquisições em “energia e serviços públicos” no país. Aparece em seguida o setor químico, US$ 1,7 bilhão.

O total de compras por empresas chineses na economia brasileira chega a US$ 39,6 bilhões entre 2010-2016. O movimento neste ano é significativo, porque Pequim passou a investir mais nos mercados desenvolvidos do que nos emergentes.

A Dealogic mostra que o total de fusões e aquisições chinesas no exterior já bate recorde este ano, com US$ 208,9 bilhões, um grande salto em relação a 2015. O volume está em linha com o plano anunciado pelo primeiro-ministro Li Keqiang, que prevê US$ 1 trilhão em investimentos diretos externos em cinco anos, tornando o país o segundo maior investidor direto, só atrás dos EUA.

No entanto, o grupo Rhodium, dos EUA, publicou estudo estimando que as estatísticas oficiais de investimentos chineses no exterior devem ser de duas a quatro vezes inferiores ao volume real.

Para o banco UBS, a recente hostilidade sinalizada pelo presidente eleito dos EUA contra estrangeiros pode frear o crescente apetite chinês por investimentos na maior economia do mundo. Recente relatório de um grupo do Congresso americano recomenda que Washington proíba a compra de companhias americanas por estatais chinesas. O protecionismo na Alemanha também bloqueou transações dos chineses. O governo alemão considerou que a China procurava acesso sobretudo a empresas de alta tecnologia, em detrimento da segurança nacional.

No entanto, o UBS aponta uma redução na parte dos investimentos externos feitos por companhias estatais chinesas, enquanto as privadas aumentaram negócios no exterior para se expandirem mais rapidamente também em novos setores, como turismo.

O governo brasileiro procura atrair mais capital chinês para os bilionários projetos de infraestrutura. Pequim diz ter interesse, o que pode significar aumento no fluxo de investimento externo direto para o Brasil nos próximos anos.

Fonte: Valor

ministro-720x294

Brasil e China assinam Memorando para ampliar o comércio bilateral no setor de serviços

O ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, e o ministro de Comércio da China, Gao Hucheng, assinaram hoje (10) um Memorando de Entendimentos (MoU) no setor de Serviços com o objetivo de incentivar o comércio exterior e os investimentos bilaterais em serviços e promover o intercâmbio de informações sobre melhores práticas no setor para fomentar serviços de maior qualidade, competitividade e eficiência.

Este é o primeiro documento assinado entre o Brasil e seu principal parceiro comercial depois da confirmação do governo de Michel Temer. O principal impacto esperado é uma maior aproximação entre os setores de serviços dos dois países e, consequentemente, a geração de novos negócios.

Segundo o ministro Marcos Pereira, “Brasil e China são dois países relevantes no cenário internacional que têm um relacionamento político e econômico consolidado. O Memorando de Entendimento em Serviços atende a um anseio do setor privado de que essas relações também se fortaleçam cada dia mais no setor de serviços, especialmente aproveitando o foco que a China tem dado para o fortalecimento desse setor”.

O documento foi negociado entre o MDIC e o Ministério de Comércio da China (MOFCOM) durante 2 anos, atendendo a pedidos do setor privado brasileiro. O instrumento não estabelece limites para a inclusão de setores que possam vir a ser objeto de cooperação bilateral, mas inicialmente já houve a identificação de algumas áreas de interesse entre as partes, tais como: Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), automação bancária, serviços desportivos, terceirização e serviços audiovisuais.

A China é o terceiro maior exportador de serviços do mundo e ocupa o 17º lugar entre os principais mercados de destino dos serviços e intangíveis brasileiros. Segundo os dados do Siscoserv, o Brasil vendeu para a China, em 2015, cerca de US$ 254 milhões em serviços e adquiriu US$ 527 milhões, resultando em um déficit de cerca de US$ 273 milhões para o Brasil.

“Atualmente, as pautas exportadora e importadora estão concentradas em serviços de logística ou relacionadas ao comércio de bens, o que sugere que há espaço para adensamento dessas relações de comércio bilaterais”, diz o secretário de Comércio e Serviços do MDIC, Marcelo Maia, que integra a delegação brasileira em Macau. Segundo o secretário, MDIC e MOFCOM definirão um Plano de Ação bienal no qual serão detalhadas as ações que deverão ser implementadas nos próximos dois anos.

“Para que o memorando possa trazer resultados concretos, o MDIC já realizou uma consulta ao setor privado sobre seus interesses com a China e encontra-se aberto para receber novas sugestões”, lembra, ainda, o secretário.

Missão à China, Índia e Alemanha

Até esta quarta-feira (12/10), o ministro Marcos Pereira chefia a delegação brasileira que participa da 5ª Conferência Ministerial do Fórum de Macau. O Fórum é o principal mecanismo utilizado pela China para a coordenação de suas relações com os Países de Língua Portuguesa (CPLP) com os quais mantém laços diplomáticos: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné Bissau, Moçambique, Portugal e Timor-Leste.

Antes da assinatura do Memorando de Entendimento em Serviços, o ministro Marcos Pereira e o ministro de Comércio da China participaram de um jantar de boas-vindas com autoridades dos países que participam do Fórum. Marcos Pereira também esteve reunido com o primeiro-ministro de Guiné-Bissau, Baciro Djá, a quem convidou para a XI Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade de Países de Língua Portuguesa, em primeiro de novembro, quando o Brasil assumirá a presidência da CPLP.

Na próxima quarta-feira, Marcos Pereira segue para Nova Déli, na Índia, onde participa da reunião ministros de Comércio dos Brics. Depois, segue para Goa, também na Índia, para acompanhar o presidente Michel Temer na reunião de Cúpula do bloco. Antes de voltar ao Brasil, o ministro ainda participa do 34º Encontro Econômico Brasil-Alemanha, na cidade de Weimar.

Fonte: MDIC

Gilberto_lima_junior-1-648x294

“Brasil não fez o dever de casa para agregar valor às exportações para a China”, diz consultor

“Não vejo nenhuma previsão de agregação de valor à pauta exportadora brasileira para a China. Essa pauta, concentrada em commodities, seguirá assim por muitos anos. E o motivo é simples: o Brasil não fez o dever de casa, no sentido de entender o consumidor chinês de forma bem clara, de ter um posicionamento estratégico voltado para China, de entender o modelo logístico adotado pelo país”. A afirmação foi feita por Gilberto Lima Júnior, Alto Representante da União dos Exportadores da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (UE-CPLP) e Presidente da Going Global Consulting ao analisar o intercâmbio comercial entre o Brasil e a China e mais particularmente a composição da pauta exportadora brasileira para o gigante asiático.

Gilberto Lima Júnior ressalta que várias das principais empresas brasileiras estão presentes na China, como é o caso a Embraer, WEG, Petrobras, Vale, Embraco, assim como existe um universo de empresas chinesas instaladas no Brasil. Ele lembrou ainda que “também há uma presença consistente sobretudo de prestadores de serviços, escritórios de advocacia, mas isso diante do volume de importação chinesa não é nada. Essas empresas que lá se encontram estão localizando a produção. Não é uma questão de embarque. Isso não entra na pauta exportadora, não entra efetivamente para efeito de balança comercial. A maioria das empresas brasileiras que lá estão instaladas estão produzindo localmente”.
De acordo com o Presidente da Going Global Consulting, a presença das empresas brasileiras atuando na China “é mais um efeito da globalização, da internacionalização, que da exportação propriamente dita. Ainda assim, essa é uma excelente estratégia. Seria ótimo se tivéssemos dez, vinte ou mesmo cem vezes mais empresas localizadas na China, assim como em qualquer outra parte do mundo. Teríamos muitos dividendos a serem remetidos ao Brasil todo final de ano e Balança de Pagamentos agradeceria, mas não é o caso”.

Para ele, o Brasil está muito distante de alcançar uma tão almejada diversificação da pauta exportadora para os chineses através da inclusão de produtos de maior valor agregado à relação dos itens embarcados para o país asiático: “somos fornecedores de commodities aos chineses e continuaremos sendo por muitos anos. Para mudar esse panorama é preciso conhecer melhor as necessidades do mercado chinês, entender melhor os hábitos de consumo de seus consumidores, estruturar o Marketing e Vendas. A China tem uma classe média que não chega a 8% da população e essa classe média tem um elevado poder de consumo e se encontra em ascensão. Trata-se de uma classe média que pode se ampliar a ponto de ter um volume de aquisição de produtos importados ainda maior e o Brasil não tem nenhum posicionamento estratégico junto a esse imenso mercado. Não sabemos adotar marketing de vendas, não conhecemos quais são os competidores das empresas brasileiras que lá estão, não sabemos aproveitar o poder dessa classe média”.

Segundo o consultor, não há motivo para se acreditar que os acordos nas áreas de comércio e investimentos anunciados por ocasião da visita do presidente Michel Temer à China venham a se traduzir em melhoria ou diversificação da pauta exportadora brasileira: “Eu não acredito nisso. Há uma esperança, e em nível da diplomacia brasileira se diz que como a China começou a terceirizar uma boa parte da produção local em função do problema ambiental, o país tenderia a buscar, dentro das chamadas cadeias globais de valor, alguma terceirização junto ao Brasil. Mas isso também não é computado em nível da pauta bilateral porque se a China tiver alguns elos de produção deslocados para cá, daqui sairão para terceiros países ou apenas atenderão demandas de nosso mercado interno”?
Após reiterar que “eu não vejo, no curto prazo, onde efetivamente agregar valor”, Gilberto Lima Júnior admite que “existem possibilidades nos setores em que o Brasil é um potencial fornecedor do mundo. Poderemos ter, por exemplo, carnes beneficiadas sendo embarcadas para a China, com algum nível de industrialização. Ou ao invés de exportar apenas frutas in natura, o Brasil poderia exportar polpa, compotas ou sumos industrializados, ou bananas desidratadas, ou coisas desse tipo. Na agregação de valor dentro das cadeias se requer entendimento dos canais chineses de distribuição, dos quais as empresas brasileiras são absolutamente desconhecedoras”

Em sua avaliação, Gilberto Lima Júnior volta a se referir à falta do “dever de casa” e explica melhor: “falta o cumprimento de uma série de ações por parte dos órgãos que são efetivamente responsáveis pelo apoio ao exportador. Existe um dever de casa bastante grande a ser feito. Não se trata apenas de elaborar estudos por parte do MDIC, mas que sejam feitos mas que sejam feitos estudos efetivos com mapeamento de canais, fazer com que as bases da Apex-Brasil em Pequim e Xangai desenvolvam um levantamento de pesquisa de canais de distribuição, que treinem os exportadores brasileiros no sentido de compreender a qualificação de quem compra, como compra, o entendimento da concorrência, o posicionamento estratégico. Talvez tenha que ter um centro de distribuição contratado dentro de uma estratégia alfandegária inteligente. Isso tudo está por se fazer. Esses deveres de casa ainda não foram feitos como deveriam e não se pode dizer que o Brasil não tenha tudo isso em relação a outros países. O Brasil tem muito bem dominado esse conhecimento em relação a outros mercados. Em relação à China é preciso que isso venha a ser preenchido”.